Trapistas

A Ordem dos Monges "Trapistas" nasceu em 1662 no Monastério de Nôtre-Dame de La- Trape (daí o nome Trapista) e foi fundada por Armand-Jean Le Bouthillier de Rancé. A ordem na verdade se chama Ordo Cisterciensium Strictioris Observantiae (OCSO) ou Ordem dos Cistercenses.

Reformados da Estrita Observância.

A filosofia por traz desta ordem é baseada nos ensinamentos de São Bento e segue o princípio fundamental do ora et labora. Buscam na contemplação e nos afazeres diários a presença do Deus vivo.

Os monges e freiras da ordem dedicam grande parte do seu dia a trabalho manuais e agricultura, tanto para subsistência quanto para ajudar outros em necessidade.

Como trabalhar é uma forma de se conectar a Deus estes monges vivem uma vida muito ativa e produzem quase tudo o que precisa para sobreviver, chegando até a comercializar para de suas manufaturas. Dentre estas estão algumas das mais famosas cervejas do mundo, mas eles produzem muito mais do que este líquido sagrado. A variedade de produtos vai desde queijos e licores até a caixões, passando por chocolates e pães.

Ok. Agora vocês irão me perguntar. O que fazer cerveja tem a ver com oração? Aqui cabe lembrar que antigamente não se conhecia a ação das bacterias, tanto na fermentação, quanto na degradação do produto. Quando no sec. XVII alguém observava a massa do pão crescer após sovada, não imaginava ali a açõa de microorganismo, mas sim a força divina intercedento para que aquela massa aumentasse de tamanho. Era o divino que concedia tal graça e o mesmo se aplica à cerveja. Após cozinhar o malte de cevada, trigo, aveia, ou uma mistura destes, Deus agia de forma misteriosa a transformar aquela sopa de grãos em uma bebida que iria alimentar os monges em seu período de jejum.

Ao contrário do que muita gente pensa não existema apenas 7 monastérios Trapistas no mundo. São sete (e agora oito) os monastérios que produzem cerveja. Neste caso posso dizer que eles são os mais importantes para mim, mas existem muitos outros pelo mundo. International Trappist Assossiation (ITA). A Associação Internacional Trapista é composta pelos dezoito monastérios Trapistas em cinco países: Belgica (berço da ordem), Holanda, Alemanha, Áustria, França e Estados Unidos.

Recentemente ITA concedeu o selo de autêntico produto trapista para a cerveja do monastério de Engelszell (Cela do Anjo) na Áustria. Esse monsatério fundado em 1293 tem um história interessante. Mesmo com tanta história o monastério se tornou uma propriedade privada durante o século 19, retornando ao controle da igreja apenas em 1925. Porém durante o regime de Hitller na Alemanha a GESTAPO, polícia especial alemã, em 1937 fechou o monastério e os 73 monges que viviam lá então viviam foram presos ou dispersos. Cinco irmãos foram enviado a campos de concentração, onde quatro deles morreram.

Hoje apenas nove monges residem lá, mas como quatro deles são aniãos apenas cinco fazem todo o trabalho juntamente com alguns empregados contratados na comunidade próxima.

A cerveja ainda não está disponível no Brasil, mas se você estiver fazendo uma viagem pela Áustria ou sul da Alemnha vale a pena conferir.

Engelszell Abbey
Stiftstrasse 6
A-4090 Engelhartszell (Austria) Tel. +43 (0) 7717 80100
Fax +43 (0) 7717 801017
abtei@stift-engelszell.at
pforte@stift-engelszell.at

Uma das cervejarias trapistas mais famosa é a holandesa La Trappe. Suas cervejas são desenvolvidas e elaboradas em colaboração com os monges da Abadia de Koningshoeven e por isso em alguns países, como nos Estados Unidos, a cerveja é conhecida por este nome.

Fundada em 1880 por monges que vieram fugindo da perseguição religiosa na França por Sebastianus Wyart. Em 1881 o então ábade responsável pela congregração logo percebeu que o solo não seria nutritivo o suficiente para os monges tirarem seu sustento então decidiu abrir uma cervejaria. Sendo ele mesmo filho de cervejeiros, enviou um dos seus dicípulos para Munique aprender as técnicas de fermentação de grãos. A escolha se mostrou abençoada, pois hoje a cerveja é o principal meio de sustento do monastério, que também destina parte dos fundos arrecadados com a venda dos seus produtos para outros monastérios na Indonésia e em Uganda.

Falando especialmente das cervejas La Trappe, elas começaram a ser produzidas como cervejas de baixa fermentação e conta a história que seriam muito diferentes das potentes e complexas cervejas atuais. De fato a primeira Blond era uma cerveja clara de baixa fermentação com cerca de 4,5% ABV, em comparação com a atual La Trappe Blond, alta fermentação com 6,5% ABV, frutada e condimentada.

A cervejaria foi sofrendo uma série de melhorias em sua história em em 1968 já produzia quatro tipos de cervejas: Dark, Pilsener, Dortmunder, Super e Bock. Devido ao sucesso os frades foram buscar ajuda com outras cervejarias, porém na decada de 80 eles retomam completamente a produção e mudam as suas cervejas para alta fermentação, baseados em algumas receitas dos anos 50 e a batizam como La Trappe. O sucesso foi grande e imediato, fazendo com que em 1989 fosse inaugurada uma nova planta industrial, com celeiros mais modernos para armazenagem e cultivo das leveduras.

Essa modernização foi muito importante para os lançamentos futuros e a consolidação do mosteiro como sendo uma dos mais respeitados e inovadores do mundo, lançando novos rótulos de tempos em tempos, cada um mais sensacional que o outro. Além disso possui uma grande responsabilidade social e de preservação do meio ambiente. Possuem a única cerveja Trapista com selo orgânico, e em 2010, como forma de comemorar uma produção de mais 40.000 hectolitros, e ao mesmo tempo dar o exemplo de conservação, foram dedicados 1,3 hectares de propriedade para reflorestamento. As árvores foram plantadas pelos próprios monges, frades, ábades, e trabalhador da cervejaria respeitando a convenção de Kioto de 1997.

Acredito que para se apreciar uma boa cerveja também é preciso conhecer sua história. Os trapistas possuem um passado muito rico e cheio de curiosidades, mas nem por isso pararam no tempo e dão exemplos de sustentabilidade, respeito pelo ser humano e meio ambiente, além de qualidade na produção e excelência na arte de se produzir esta preciosidade. De fato é para se degustar rezando.

Beba com Sabedoria!

Fontes:
http://www.trappist.be/en/pages/monasteries-engelszell
http://www.stift-engelszell.at/cmsimple/
http://www.latrappe.nl/content.asp?m=P5&l=EN

Commentários